A boa parte do isolamento

dawn landscape sunset sand
Photo by Joao Oliveira on Pexels.com

Read this page in English

Não somente os presidiários vivem presos. Muitas vezes vivemos em situação de prisão por conta de guerras, pandemias, perseguição, luto e, a mais comum, doenças ou precaução contra elas. Algumas pessoas escolhem, deliberadamente, uma vida de reclusão. Na fazenda, ficávamos isolados porque uma ponte caía; aqui na cidade, ficamos em home office por conta de um vírus. Filósofos argumentam que a vocação da alma é viver presa ao corpo.

Há um lado negativo do isolamento. Precisamos, entretanto, perceber o seu valor. O próprio descanso é, muitas vezes, uma experiência de isolamento, como o sono, a folga, o sabático. O isolamento é indispensável para o desabrochar da vida, como o silêncio o é para a música. Não é de se estranhar, portanto, que muitos rituais de iniciação incluam situações de isolamento.

Situações de prisão fazem parte da história humana, desde Adão, que se escondeu de Deus, e Caim, que foi expulso do convívio familiar. Jacó encontrou-se com Deus quando fugia do irmão; José, antes de se tornar o governador do Egito, estava ora numa cisterna, ora numa cadeia; Moisés passou 40 anos no deserto para, então, ver a sarça ardente; Elias foi encontrado por Deus numa caverna; Davi vivia fugindo dos irmãos ou de Saul, antes de se tornar o rei “segundo o coração de Deus”; e por aí vai. Jesus Cristo, ainda criança, teve que aprender a fugir e, quando adulto, regularmente escolhia a reclusão para orar. Não foi diferente com os primeiros cristãos. João, por exemplo, viveu exilado na Ilha de Patmos, e escreveu o Apocalipse. 

O apóstolo Paulo, uma vez convertido, teve a vida transformada, de alguém que encarcerava as pessoas para alguém que passou a maior parte da vida em situação de prisão, muitas vezes, literalmente. Além de doenças intermináveis, assumiu sua jornada de missionário, que, por si, é uma vocação de alguma reclusão.  Nos primeiros três anos, ficou na Arábia (Gálatas 1.17). Foi preso em Filipos, em Éfeso, em Jerusalém e, finalmente, em Roma, onde terminou a vida em prisão domiciliar. 

Dietrich Bonhoeffer, um pastor alemão que morreu na cadeia dos nazistas por conta de suas pregações, testemunhou: “No mais, leio e escrevo tanto quanto me é possível, e me conto por satisfeito de não ter sentido neste período de mais de 5 meses um só momento de tédio. O tempo sempre está preenchido, apesar de haver no fundo, desde a manhã até a noite, a espera” (Resistência e Submissão, Sinodal, p. 57). Bonhoeffer ficava escandalizado com a ideia de esquecer as lições aprendidas no isolamento e questionava se esta “memória perdida” não seria a causa para a ruína de todos, do amor, do matrimônio, da amizade e da lealdade (p. 106). Para ele, perdemos tempo apenas quando “não obtemos experiências, não aprendemos, não realizamos, nem desfrutamos nem sofremos nada” (p. 15).

O isolamento é precioso para a descoberta e o desenvolvimento de nossa identidade. Bem aproveitado, ele pode ajudar a responder “quem eu sou?”, e isso não tem preço. Posso desenvolver o meu caráter, receber treinamento e abraçar novos desafios. Enfim, não é tempo perdido se aprendo a viver e a servir melhor, se saio da caverna uma pessoa melhor, mais humilde, mais humano e cresço na arte de saber esperar. Em referência ao seu Evangelho, Paulo dizia: “Não o recebi de pessoa alguma nem me foi ele ensinado” (Gálatas 1:12), ou seja, ele o recebeu na leitura, reflexão e oração. 

Há vida no isolamento, se estou executando a minha missão de vida. Além dessa vocação de eterno adorador, cada um está neste mundo com um propósito, normalmente relacionado ao serviço. Posso ser forçado a fazer mil ajustes na rota, mas devo persistir na realização do que entendo ser uma ordem divina para mim. No caso dos cristãos, a ordem é explícita: cooperar para que o Evangelho seja anunciado a todos. Os discípulos sentem que, se estão obedecendo, tudo está bem.

Há vida no isolamento, se eu mantenho a adoração congregacional. A luta do Diabo em isolar as pessoas é, basicamente, uma tentativa de impedir a proclamação do Evangelho e o culto a Deus. Os discípulos sentem-se desafiados a não permitir que isso ocorra. Se não podem adorar no conforto de um templo, irão adorar onde puderem reunir dois ou três. Atos 16:25 registra: “Por volta da meia-noite, Paulo e Silas estavam orando e cantando hinos a Deus; os outros presos os ouviam”. Observe que eles tinham sido severamente açoitados e tinham os pés presos num tronco.

Por fim, há vida no isolamento quando percebemos a preciosidade da amizade de alguém que está, ou age como se estivesse, conosco em nossa “prisão”. O Senhor da história valorizou, como ninguém, essa amizade desenvolvida no isolamento, e fez dela o assunto para seu discurso final, quando este mundo de isolamentos chegar ao fim: “Quando preso ou doente, você esteve comigo. Agora, venha estar comigo nos céus”. Portanto, há vida no isolamento, se a boa parte está garantida depois dele.

Juracy Bahia

Uma resposta para “A boa parte do isolamento”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *